Ir para conteúdo 1 Ir para menu 2 Ir para busca 3 Ir para rodapé 4 Acessibilidade 5 Alto contraste 6

---

  • ?
  • ?

---

  • ?
  • ?


"Sussurrofone": Escola Municipal de Maracajá desenvolve projeto para incentivar a leitura

Publicado em 02/05/2022 às 11:55 - Atualizado em 02/05/2022 às 11:56

Você já ouviu falar em “Sussurrofone”? O nome pode ser desconhecido para muitos, mas para os alunos da Escola de Educação Básica Municipal Eulália Oliveira de Bem, em Maracajá, o aparelho já faz parte da rotina escolar.

 

O “Sussurrofone” é um aparelho de telefone confeccionado a partir de tubos e conexões de PVC e tem como objetivo ajudar os alunos a melhorar a leitura, escrita e concentração.

 

Segundo a diretora Rosilane Magagnin, os aparelhos estão sendo utilizados pelas turmas dos 5° anos. "Os sussurrofones foram adquiridos pela Administração Municipal há uns 4 anos. Os professores relataram a dificuldade na leitura pelos alunos e visando ajudar nesta problemática surgiu a ideia de utilizar o sussurrofone", explica.

 

A diretora relata que a novidade permite a captação individual da voz do aluno, a amplificação e o retorno desse som somente para quem o está utilizando. "O aparelho ajuda a criança a ouvir melhor enquanto pratica a leitura, com isso ajuda também identificar os erros de pronúncia. A concentração também está entre os benefícios do sussurrofone", disse.

 

Para o diretor de Educação e Cultura, Daniel de Souza, o Chicão, o uso do "sussurrofone" criou um novo contexto para a aprendizagem da leitura e da escrita. "É uma ideia simples, mas que já está dando bons resultados, pois de forma lúdica os estudantes experimentam novas experiências, que contribui significativamente no âmbito escolar e fora dele. Além de valorizar as linguagens oral e escrita", concluiu.

 

Aparelho

O projeto, inspirado no Whisper Phone (aparelho encontrado em escolas americanas) foi adaptado no Brasil para ser utilizado nas escolas públicas. Medindo cerca de 10 cm, o equipamento tem semelhanças com um telefone convencional, porém ao invés de ouvir alguém do outro lado da linha, o aluno ouve a própria voz.