Ir para conteúdo 1 Ir para menu 2 Ir para busca 3 Ir para rodapé 4 Acessibilidade 5 Alto contraste 6

---

  • ?
  • ?

---

  • ?
  • ?


Instalação de usina de asfalto volta ser debatida entre prefeitos de Maracajá e Forquilhinha

Publicado em 03/05/2021 às 08:59 - Atualizado em 03/05/2021 às 08:59

 

            O prefeito de Maracajá, Anibal Brambila, vice-prefeito Volnei Rocha, e a secretária de Administração e Finanças, Edilane Rocha Nicoleite, receberam na manhã desta terça-feira, dia 27/04, a visita do prefeito de Forquilhinha José Cláudio Gonçalves, o Neguinho. Em pauta, mais uma vez, a implantação de uma usina de asfalto móvel, que contemplaria Forquilhinha, Nova Veneza e Maracajá.  

 

            Segundo Neguinho, foi aprovado pelo  Consórcio Intermunicipal Multifinalitário (CIM-AMREC) a compra da usina de asfalto pelos municípios de Forquilhinha e Nova Veneza. "Para que Maracajá também seja beneficiado, a Administração tem que encaminhar ao CIM-AMREC, uma carta de intenção, relatando o interesse em participar da aquisição da usina de asfalto", explicou.

 

            Neguinho salientou que há possibilidade dos municípios ganharem a usina do Governo do Estado. "Nosso primeiro plano é ganhar do governo e adquirir através do Consórcio, mas para fortalecer nosso pedido, seria interessante a adesão de Maracajá", citou. Ele salientou que o valor da usina seria de cerca de R$ 3,2 milhões.

 

                Para o prefeito Anibal Brambila a implantação de uma usina de asfalto em benefício aos três municípios é interessante, já que haveria redução nos custos, mais agilidade nas execução das obras e os prefeitos teriam mais autonomia, contudo a aquisição dos equipamentos pode ser uma dificuldade para Maracajá. "Temos que avaliar bem qual será nosso investimento, considerando a necessidade de aquisição de equipamentos para colocar a execução das camadas de asfalto. Com isso, temos que estudar uma maneira que seja viável para Maracajá, que tenhamos redução nos gastos e não mais custos", enfatizou.

 

            Brambila disse que vai buscar mais informações junto ao CIM-AMREC sobre a funcionalidade do consórcio e as vantagens que o município teria com a adesão.