---

  • ?
  • ?

---

  • ?
  • ?

#educação
Aula com "realidade aumentada" amplia interação e assimilação de conteúdo

Publicado em 25/10/2018 às 18:14 - Atualizado em 25/10/2018 às 18:14

Você já imaginou, durante uma aula sobre circulação sanguínea ter em sua mão uma tela, na qual o coração aparece pulsando, pode ser movimentado em todas as direções e, até fazer cortes na imagem para "ver" por dentro o funcionamento do órgão? Isto ocorre em salas de aula do 8º ano da Escola Municipal Eulália Oliveira de Bem, em Maracajá.

As aulas utilizando a ferramenta da "Realidade Aumentada" é fruto de uma parceria com professores e acadêmicos de medicina e engenharia da Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC), vinculados ao Laboratório de Tecnologia e Conservação Documental (Labtec), do Departamento de Ciência da Informação (CIN), do Centro de Ciências da Educação e Informação (CED).

As informações são da professora de ciências da escola de Maracajá, Solange de Almeida Da Boit Presa, que buscou a parceria no campus de Araranguá da UFSC, aproveitando a nova realidade da rede municipal, na qual cada aluno do ensino fundamental tem seu próprio tablet, fornecido pela administração municipal, para utilizar durante as aulas, como ferramenta pedagógica.

"As aulas de ciências no município de Maracajá estão tomando novos rumos; além de um excelente sistema de ensino, da Editora Positivo, a realidade no dia-a-dia dos alunos toma forma e sentido com a utilização dos tablets, um verdadeiro divisor de águas na explicação e entendimento dos conteúdos ", ressalta a professora Solange.

O equipamento em mãos e o aplicativo de Realidade Aumentada disponibilizado pelo pessoal do Labtec da UFSC, segundo Solange Presa, fez o grupo de alunos alcançar melhores resultados de aprendizado por meio do engajamento, imersão, colaboração e participação. A atividade terá continuidade durante o decorrer deste trimestre .

A professora salienta que "diante dos desafios para melhorar a qualidade do ensino, atividades como esta contribuem para o letramento científico e a formação crítica dos alunos, e pretendemos avançar com mais experiências e estudos sobre o uso das Realidades Aumentadas nas aulas de ciências".

A diretora de Educação de Maracajá, professora Cristiane Sant`Ana, acompanhou a atividade dos alunos do 8º ano com acadêmicos e professores da UFSC e reforça que a aquisição de quase 800 tablets neste ano, para alunos a partir de quatro anos de idade e professores, está referenciando o município e tornando Maracajá um amplo campo de pesquisas acadêmicas.

"Nossa expectativa está se confirmando; esperávamos que estes tablets e o acesso inteligente à internet pudessem transformar a educação que o município oferece e, sobretudo, criasse ambiente para que alunos e professores se transformassem em novos agentes da evolução e do progresso; a velocidade com que isto está ocorrendo está nos surpreendendo", comenta o prefeito de Maracajá, Arlindo Rocha.